Análise do Estresse Cognitivo por Termografia, Marcadores Salivares, Pressão Arterial e Variabilidade da Frequência Cardíaca

  • Leandro Lima e Silva, Ms 1 Laboratory of Exercise and Sport, Institute of Physical Education and Sports, Rio de Janeiro State University, Rio de Janeiro, Brazil 2 Postgraduate Program in Exercise and Sport Sciences, Rio de Janeiro State University, Rio de Janeiro, Brazil 3 Research Group in Sport, Education and Health, Federal Institute of Education, Science and Technology of Ceará, CE, Brazil
  • Rodrigo Gomes de Souza Vale, Dr Laboratory of Exercise and Sport, Institute of Physical Education and Sports, Rio de Janeiro State University, Rio de Janeiro, Brazil 2 Postgraduate Program in Exercise and Sport Sciences, Rio de Janeiro State University, Rio de Janeiro, Brazil
  • Danielli Braga Mello, Dr Escola de Educação Física do Exército, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
  • Lucas dos Santos Ferreira, Sr Escola de Educação Física do Exército, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
  • Magna Leilane Silva, Dr Grupo de Pesquisa em Esporte, Educação e Saúde, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Ceará, Brasil
  • Rodolfo Alkmim Moreira Nunes, Dr 1 Laboratório do Exercício e do Esporte, Instituto de Educação Física e Esportes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil 2 Programa de Pós-graduação em Ciências do Exercício e do Esporte, Universidade do estado do Rio de Janei-ro, Rio de Janeiro, Brasil

Resumo

O objetivo deste estudo foi testar um protocolo voltado a avaliar o estresse cognitivo através da termografia facial, da VFC, da PA e de marcadores salivares frente a situações comuns presentes em uma partida da modalidade em vídeo. Participaram do estudo 03 militares do Exército Brasileiro, do sexo masculino, estudantes do Curso de Instrutor de Educação Física (26,67±0,44 anos, 178,67±8,22 cm, índice de massa corporal 24,57±2,62). Foram coletadas as medidas antropométricas dos voluntários, foi feita a coleta salivar, aferida a pressão arterial e registrada a imagem térmica da face, sendo verificada a variabilidade da frequência cardíaca através de um relógio com monitor cardíaco durante todo o processo. Como principais resultados verificou-se que o protocolo é viável para ser aplicado em maiores proporções, com pequenas adaptações. Houve uma tendência de diminuição na temperatura máxima supra orbital no PÓS-TESTE (amplitude média de 0,3ºC). Na temperatura nasal uma tendência de declínio da temperatura média no PÓS-TESTE (amplitude média de 1,43ºC). Uma tendência de aumento dos valores de PA tanto sistólica quanto diastólica em 2 dos 3 indivíduos. Como conclusão, o protocolo mostrou-se viável para aplicação em maiores proporções, se forem observados alguns cuidados e adaptações durante a aplicação para uma amostra maior. Há indícios de haver relação entre a termografia facial nas regiões supra orbital e nasal, além da pressão arterial com o estresse cognitivo.

Publicado
Jun 5, 2022
Como Citar
LIMA E SILVA, Leandro et al. Análise do Estresse Cognitivo por Termografia, Marcadores Salivares, Pressão Arterial e Variabilidade da Frequência Cardíaca. Pan American Journal of Medical Thermology, [S.l.], v. 9, p. 003, jun. 2022. ISSN 2358-4696. Disponível em: <https://abraterm.com.br/revista/index.php/PAJMT/article/view/110>. Acesso em: 25 jun. 2022. doi: http://dx.doi.org/10.18073/pajmt.2022.9.003.
Seção
Artigos